CULTURA

Projeto sobre ‘Imigração norte-americana para a região de SB' envolve mais de 450 alunos

12/01/2018 - 17h29

 

Compartilhar via E-mail

O projeto turístico-pedagógico denominado "A Imigração Norte-Americana para a Região de Santa Bárbara d' Oeste/SP", realizado pela Fraternidade Descendência Americana-FDA, em parceria com a Prefeitura Municipal e a Secretaria de Cultura e Turismo, envolveu mais de 450 alunos de sete estabelecimentos da rede municipal de ensino durante o ano passado. Além de expandir o conhecimento sobre a imigração norte-americana para esta região no século XIX, o projeto tem contribuído para fomentar o turismo local, conforme destacou o presidente da FDA, João Leopoldo Padoveze.

"Todo ano a Secretaria de Cultura recebe uma verba para projetos e a FDA se propôs a fazer um projeto que atendesse a história do município. A iniciativa foi da cidade e nós da FDA propusemos o projeto com essas especificações. Dentro do parâmetro estabelecido, nós levamos os alunos ao Cemitério do Campo, falamos da história, da influência da imigração para a cidade e apresentamos todo o contexto que envolve o cemitério e capela, a Fraternidade", explicou.

Foi o segundo ano consecutivo do projeto envolvendo escolares. "A experiência foi boa em 2016 e repetimos em 2017, concluindo com louvor. O projeto é uma grande oportunidade de apresentar aos alunos e professores do ensino médio a riqueza do patrimônio histórico, religioso e cultural do município trazidos por esses imigrantes", disse João Leopoldo. No ano passado participaram as seguintes escolas: Escola Estadual Elisabeth Steagall Pirstoucheg; Escola Estadual Comendador Emílio Romi; Escola Estadual Coronel Luíz Alves; Escola Estadual Juvelina de Oliveira Rodrigues,Escola Estadual Sônia Bataglia Cardoso;Escola Estadual Maria José Margato Brocatto e Escola Estadual José Domingues Rodrigues.

As visitas aconteceram entre os meses de agosto a novembro e contaram com palestras educativas sobre a imigração norte-americana para o Brasil entre 1865 e 1880. O passeio turístico foi dividido em três estações: o Museu da Imigração, a Capela e a área coberta do Cemitério do Campo, unindo a história entre o Brasil e os Estados Unidos da América de maneira única. Por meio de palestras é explicado aos alunos sobre a guerra civil e como a influencia foi determinante para que a imigração acontecesse e porque escolheram Santa Bárbara d' Oeste.

"Falamos das técnicas agrícolas mostrando o arado, entre outras participações da colônia na cidade, com religião, saúde e como impactou na cidade e no Brasil. Na visita ao Cemitério do Campo, os alunos têm o contato físico e entende como era o processo de 50 anos atrás. Contamos sobre a capela e seu contexto e fazemos o passeio pelo cemitério explicando porque existe, porque ele fica ali e porque existe até hoje. Temos um retorno muito positivo", avaliou o presidente.

 

Fonte: Redação

Comentários

(Os comentários são de responsabilidade do autor, e não correspondem à opinião do SBNotícias).