Notícias


LUTO

04/07/2022 às 14:20:00

Morre em São Paulo o Cardeal Cláudio Hummes, aos 87 anos


(Foto: Divulgação Canção Nova)

O Cardeal Cláudio Hummes, Arcebispo emérito de São Paulo e Prefeito emérito da Congregação para o Clero, morreu na manhã desta segunda-feira (04), em São Paulo, aos 87 anos, após prolongada enfermidade. O falecimento foi comunicado pelo Cardeal Dom Odilo Scherer, Arcebispo de São Paulo.

Nascido em Montenegro (RS), o franciscano Dom Cláudio completaria 88 anos em 8 de agosto. Morreu em sua residência, na zona Sul de capital paulista, onde permanecia, a seu pedido, em cuidados paliativos após um quadro irreversível de câncer no pulmão.

A Arquidiocese de São Paulo informou que o velório e os ritos fúnebres serão realizados na Catedral Metropolitana de São Paulo, com início ainda hoje, em horário a ser divulgado. O sepultamento ocorrerá na Cripta da Catedral, em dia e horário a ser ainda informado.

“A Igreja em São Paulo rende graças ao Senhor pela vida de Dom Cláudio, por seu exemplo de Pastor zeloso do povo de Deus. O Cardeal Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Metropolitano de São Paulo, convida todos a elevarem preces de louvor e gratidão a Deus e de sufrágio em favor do falecido Cardeal Hummes”, manifestou a Arquidiocese de São Paulo, em comunicado do Vicariato Episcopal para a Pastoral da Comunicação.

Dom Odilo Scherer, lembrou que “seu longo ministério foi dedicado, em particular, ao acompanhamento dos povos indígenas, do qual trouxe a voz ao Sínodo para a Região Pan-Amazônica em 2019”.

O OLHAR VOLTADO PARA A AMAZÔNIA

Nomeado Presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em 2014, Dom Cláudio ajudou a criar a Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), da qual foi o primeiro Presidente. Em 2019, foi Relator-geral do Sínodo para a Amazônia e, de julho de 2020 a março de 2022, presidiu a Conferência Eclesial da Amazônia (Ceama).

Falando na COP21, uma cúpula internacional sobre o clima, em dezembro de 2015, Dom Cláudio manifestou irrestrito apoio ao modo de vida dos indígenas: “é preciso defendê-los, defender seus direitos, dar-lhes de novo a possibilidade de serem os protagonistas de sua história, os sujeitos de sua história. Deles foi tirado tudo: a identidade, a terra, as línguas, sua cultura, sua história, tudo”.

Em uma entrevista concedida ao site da Repam, às vésperas do Sinodo de 2019, comentou que “a Amazônia está passando por um momento em que está se definindo seu futuro. O Papa Francisco veio com a Laudato Si’, que ajudou ao mundo, mas sobretudo a nós cristãos a pensar mais concretamente sobre o sentido da Amazônia, sua missão, sua vocação, nem só como Igreja, senão também como região, como área socioambiental”.

BIOGRAFIA DE DOM CLAUDIO HUMMES

Nascido em 8 de agosto de 1934, em Montenegro (RS), Cláudio Hummes dedicou-se à vida da Igreja desde os 17 anos de idade, quando ingressou na Ordem dos Frades Menores – franciscanos – em 1o de fevereiro de 1952, e manteve-se na ativa até março de 2022, quando já com a saúde debilitada, em decorrência do câncer, renunciou ao cargo de Presidente da Conferência Eclesial da Amazônia (Ceama).

08/08/1934 – Aury Afonso Hummes (Dom Cláudio) nasce em Montenegro (RS), filho de Pedro Adão Hummes e Maria Frank Hummes, ambos imigrantes alemães. Fez seus primeiros estudos na Escola Paroquial Santo André, no Seminário Seráfico São Francisco, em Taquari (RS).

01/02/1952 – Ingressa na Ordem dos Frades Menores (franciscanos).

02/02/1953 – Faz os primeiros votos na congregação.

02/02/1956 – Professa solenemente os votos perpétuos

03/08/1958 – É ordenado padre em Divinópolis (MG), por Dom João Resende Costa, então arcebispo de Belo Horizonte (MG).

1962 – Após um período de estudos em Roma, obtém o título de Doutor em Filosofia.

1965 a 1968 – Assessora a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) em ecumenismo, especializando-se nessa área no Institut Écuménique de Bossey, em Genebra, na Suíça.

1969 – Passou a lecionar na Faculdade de Filosofia de Viamão (RS), de que também foi diretor, e na Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre.

1972 – É nomeado superior provincial dos franciscanos do Rio Grande do Sul, e nessa condição presidiu a União das Conferências Latino-Americanas dos Franciscanos de 1973 a 1974.

22/03/1975 – É nomeado por São Paulo VI como bispo coadjutor de Santo André (SP).

25/05/1975 – É ordenado bispo em Porto Alegre (RS), por Dom Aloísio Lorscheider, então arcebispo de Fortaleza (CE),

29/12/1975 – É empossado bispo da Diocese Santo André (SP).

1976 a 1998 – Atua como membro da Comissão Episcopal da Pastoral da CNBB para o Ecumenismo.

1979 a 1990 – Atua como assistente nacional da Pastoral Operária.

1979 a 1983 – Atua como membro da Comissão Episcopal de Pastoral (CEP) da CNBB para os Leigos, Família, Pastoral Urbana e Operária.

1980 – É eleito delegado ao Sínodo dos Bispos sobre a Família.

1995 a 1998 – Responsável pelos setores Família e Cultura da CNBB.

21/07/1996 – É nomeado Arcebispo de Fortaleza (CE)

1997 – É eleito à Assembleia especial do Sínodo dos Bispos e confirmado por São João Paulo II

1997 – Atua na linha de frente da realização do II Encontro Mundial das Famílias, no Rio de Janeiro (RJ), do qual participou São João Paulo II.

15/04/1998 – É nomeado por São João Paulo II como Arcebispo de São Paulo.

23/05/1998 – É empossado como o 6º arcebispo de São Paulo.

21/02/2001 – É nomeado cardeal por São João Paulo II.

19/04/2005 – É um dos cardeais eleitores no conclave em que o Cardeal Ratzinger foi eleito papa, Bento XVI.

31/10/2006 – É nomeado prefeito da Congregação para o Clero, na Cúria Romana.

26/11/2006 – Despede-se da Arquidiocese de São Paulo.

07/10/2010 – O Papa Bento XVI aceito o pedido de renúncia de Dom Cláudio como Prefeito da Congregação para o clero.

18/04/2011 – Passa a exercer a função de vigário-geral da Arquidiocese de São Paulo, acompanhando as coordenações pastorais do Mundo do Trabalho, Movimentos Eclesiais e Novas Comunidade em âmbito arquidiocesano.

13/03/2013 – É um dos cardeais eleitores no conclave em que o Cardeal Mario Jorge Begoglio foi eleito papa, Francisco, sendo um dos cardeais ao lado do Pontífice quando este é apresentado aos fiéis na Praça de São Pedro.

2015 – Torna-se presidente da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam).

2019 – Participa da Assembleia do Sínodo dos Bispos sobre a Amazônia, como um dos relatores do evento convocado pelo Papa Francisco.

2020 (novembro) – Renuncia à presidência da Repam.

2021 – Torna-se o 1o presidente da Conferência Eclesial da Amazônia (Ceama).

2022 (março) – Renuncia à Presidência da Ceama.


COMENTÁRIOS (Os comentários são de responsabilidade do autor, e não correspondem à opinião do SBNotícias).